A morte, já ali a meia horita

segunda-feira, julho 04, 2016

Ontem vinha da terrinha pela auto-estrada quando o meu carro dá o sinal de bateria e de "stop", e encosto na berma. Ao dar à chave novamente o carro vai abaixo, e pronto, preparei-me para passar ali um tempo de qualidade com 37º de sol de chapa contra o alcatrão. Adeus, tarde de praia!

Lá tomei as providências com o seguro e chamaram o reboque e um táxi. Esperei, ora dentro ora fora do carro com o maravilhoso colete amarelo XL gigante a ajudar ao fresquinho da situação, com meia garrafa de água para mim e para o meu namorado e com uma grande vontade de mijar.

Chegados os senhores, a coisa processou-se relativamente rápido e ala para casa. Só que depois recebi uma chamada da seguradora para me darem conhecimento de uma "situação". O carro ardeu. Do nada. Fez-se em fogo, sozinho. Caput. Ainda em cima do reboque, pegou fogo espontaneamente. E caíu-me tudo ao chão. Primeiro caíu a ficha do dinheiro que perdi e que vou ter de gastar, e em segundo apercebi-me que por uma questão de meia-hora podia ser neste momento um monte de cinzas. Franga de churrasco. O que aconteceu, podia ter acontecido quando estava à espera do reboque, ou pior, enquanto conduzisse na auto-estrada. Neste caso, as hipóteses de sobrevivência seriam quase nulas. Também podia ter ardido, caso chegasse a casa, no estacionamento do prédio, e danificado os outros carros ou magoado alguém, por isso no meio do meu dia de merda tive uma sorte do carago.

Como tal, não vou chorar sobre leite derramado, mas fica a despedida ao meu carrinho, o meu popó Bolão, que fui tão feliz com ele. Percorreu com coragem os caminhos de norte a sul deste Portugal, levou-me a tantos concertos, deu tantas boleias, deu-me tanta música e cantorias, foi um companheiro leal. Não sei porque se decidiu suicidar, mas não devo demorar muitos dias a descobrir. Adeus, Bolão, vais deixar tantas saudades e uma conta bancária abatida.



Também deves gostar disto

7 comentários

  1. Auch! Isso é que foi uma maneira dramática de entregar a alma ao criador...

    ResponderEliminar
  2. Um carro meu tem de ser assim, dramático! Não se faz por menos. Já o meu carro anterior caiu-lhe o motor na Cidade Universitária de madrugada :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ehehehe, estou a ver que sim! Os teus carros gostam tanto de ti que não aceitam mais donos, morrem de vez :p

      Eliminar
    2. Já a muitas pessoas lhes "caiu o motor" na cidade universitária de madrugada. Principalmente na altura das festas académicas. :p

      O teu carro apenas seguiu o espírito universitário.

      Eliminar
    3. Preferia que os meus carros não tivessem espírito nenhum :P

      Eliminar

Seguir por email

Visitantes

Blogs Portugal