Os nobres salvadores da gaivota

quarta-feira, agosto 31, 2016

A Joana e o Bruno são voluntários do núcleo do Porto da Animais de Rua. Passaram por um prédio devoluto e repararam numa gaivota à janela. No dia seguinte estava lá outra vez e perceberam que não conseguia sair de lá. Falaram com vizinhos, que confirmaram que a gaivota estava lá há três dias mas não sabiam o que fazer.

Os voluntários mexeram-se e rodearam o prédio para ver se havia entradas. Como não havia, falaram com a polícia que conseguiu o contacto da dona do prédio, que disse que passava por lá mas não apareceu. Um dos agentes foi falar com os trabalhadores de uma obra nas imediações e estes puseram à disposição uma grua. A PSP parou o trânsito para que pudessem operar a grua e conseguiram entrar pela janela do primeiro andar. Finalmente chegados ao animal, cobriram a gaivota com uma toalha e trouxeram-na para a rua.

Tudo foi testemunhado por várias pessoas que emocionadas e a aplaudir viram a gaivota beber água durante 10 minutos e a comer. Aos poucos, recuperou as forças e por fim voou rumo à liberdade. Não teria sobrevivido mais um dia.

Acções como estas dão-me esperança na humanidade. Todos os dias há histórias de maus tratos, abandonos e outros crimes praticados contra animais e histórias como estas enchem-me o coração. Muitos (a maioria) vão dizer que "é só uma gaivota", mas para mim, para a Joana e para o Bruno, para os agentes, para os trabalhadores da obra e para os que assistiram e deram força, era uma vida. E uma vida merece respeito, atenção e cuidado. Ainda mais me emociona o espírito de entreajuda e a colaboração de toda a gente em prol daquele ser que só soube pedir ajuda com o olhar. A compaixão imperou e impediu a morte lenta de um animal inocente.

Obrigado Joana e Bruno por não desistirem, obrigado aos agentes que se preocuparam, obrigado aos trabalhadores que ajudaram. Vocês são heróis. Obrigado pelo final feliz, tão raro nos dias de hoje.


Também deves gostar disto

0 comentários

Seguir por email

Visitantes

Blogs Portugal