A cultura é para os ricos

segunda-feira, março 02, 2015

Está na ordem do dia o encerramento do Pirate Bay, um dos maiores agregadores de torrents e como tal um dos impulsionadores mundiais da pirataria. A meu ver a mossa não é assim tão grande, a internet é um mundo e o que não faltam são formas de fazer downloads ilegais. No entanto acredito que mais medidas se seguirão.

Se eu apoio a pirataria? Não. Se pirateio? Sim. Não tenho alternativa. Adoro cinema e séries, é mais do que um hobby, é uma das marcas da minha personalidade, um dos temas de conversa que mais gosto. Anseio por sair do trabalho e relaxar a ver os meus filmes e séries, mal posso esperar por opinar e trocar impressões sobre a realização, os actores, o cenário, a banda sonora, a fotografia, tudo. É uma paixão.

E quais são as minhas alternativas? Quanto às séries, ou espero que vão parar à televisão por cabo, e se forem, desejo ardentemente que não demore anos. Posso comprá-las depois de a temporada acabar, quando já toda a gente viu e não é novidade. Posso subscrever um canal que tenha séries interessantes, mas só lá estão uma ou duas que realmente queira ver. A mesma coisa com os filmes. Ou os vejo no cinema e deixo lá o meu parco ordenado, ou espero anos até chegarem à televisão nacional, ou ao Videoclube, ou a um canal premium, novamente opções pagas.

Compreendo que queiram combater a pirataria. Compreendo mesmo. Os artistas têm de ser pagos pelo seu trabalho e eu apoio totalmente essa ideia. Mas para os artistas serem conhecidos, para se promoverem, para se venderem, têm de ser acessíveis às massas. E sem a pirataria isso não aconteceria. Se querem acabar com a pirataria têm de nos dar alternativas viáveis. Se quero continuar a assistir aos filmes e séries que assisto hoje sem recorrer à pirataria, juntando a subscrição dos canais premium, umas idas ao cinema, mais os filmes alugados no Videoclube e ainda a compra de DVD's (arrendondando por baixo), gastaria cerca de €60 mensais, no mínimo, e nem veria metade do que vejo hoje.

Já nem falo aqui de outras formas de cultura, como a literatura. Lendo um livro por semana, a solução que arranjei é trazê-los da biblioteca, de onde também trago filmes ou cd's de música. E também não estão a entrar nas minhas contas os livros e cd's que compro todos os meses...

O Netflix já existe em vários países e com planos a partir de 8 dólares (cerca de 7€) dá acesso a um sem número de filmes e séries logo após a sua estreia. Para quando em Portugal? Estamos na cauda do mundo em tudo, e a parte cultural é para mim escandalosa. Ganhamos pouco, a nossa qualidade de vida é merdosa, e ainda assim querem que gastemos parte do nosso salário, dos mais baixos da Europa, em cultura, que é "só" uma das formas de evasão mais importantes, e não só! Isto ainda num país em que comprar um cd, um livro, ir ao teatro, é mais caro do que na maior parte dos outros países. Vergonha! Eu não me importo de pagar, até mais do que 7€ por mês se for preciso, mas calma convosco, não nos tirem o pão da boca! Mexam-se e deem-nos as alternativas que precisamos! A cultura não pode ser só para os ricos!


Também deves gostar disto

0 comentários

Seguir por email

Visitantes

Blogs Portugal