Recuperar o tempo perdido é uma expressão fraudulenta

quinta-feira, maio 17, 2018

"Cipriano Algor pôs a furgoneta em andamento. Distraíra-se com a demolição dos prédios e agora queria recuperar o tempo perdido, palavras estas insensatas entre as que mais o forem, expressão absurda com a qual supomos enganar a dura realidade de que nenhum tempo perdido é recuperável, como se acreditássemos, ao contrário desta verdade, que o tempo que críamos para sempre perdido teria, afinal, resolvido ficar parado lá atrás, esperando, com a paciência de quem dispõe do tempo todo, que déssemos pela falta dele."

in A Caverna, de José Saramago (2000)

Quem nunca falou em recuperar o tempo perdido? Todos temos mentido a nós mesmos. O tempo nunca, em situação alguma, é recuperado. Ele é-nos tirado, segundo a segundo. Se acelerarem na estrada para recuperar o tempo que estiveram parados, no fim do percurso não estará lá o mestre do tempo a dizer-vos "Peço perdão, tomem lá meia hora de compensação, subtraiam aos vossos relógios." Ou quando um certo relatório ou apresentação vai parar ao balde do lixo, o vosso chefe não vos pede "desculpa por qualquer coisinha, não tomem a peito a afronta, tomem lá 8 horas de vida a mais." Não se iludam, o que foi já lá vai e não vão ter novos fôlegos a somar aos que vos restam. Percebo a lógica, mas que a ilusão da oralidade não vos dê falsas esperanças.

Também deves gostar disto

0 comentários

Seguir por email

Visitantes

Blogs Portugal